Lendo agora:
Uma república socialista?
Artigo completo 2 minutos de leitura

Uma república socialista?

cnbb-e-bandeira-1
Se os serviços públicos são geridos por empresas  particulares, ou pelo governo, é uma questão de eficiência. Não é de ideologia política.
 Mas não esqueçamos que os serviços públicos “gratuitos” alguém os precisa pagar. A passagem de ônibus eu posso pagar do meu bolso, diretamente para a companhia particular, que presta esse serviço.
 Ou eu entrego essa mesma contribuição ao governo, para que ele a administre. Não existe jantar gratuito.
 O socialismo sempre fascinou a mente humana, porque parece ser mais justo, e atender melhor à parte mais pobre da humanidade.
 Isto, precisamente, sempre foi o ponto fraco do capitalismo: não ter plano de salvação para os perdedores.
Mas o socialismo carrega consigo uma mancha execrável.
 Não é capaz de respeitar o que é inerente ao ser humano, que é a sua liberdade.
 Como não conseguirá jamais se estabelecer com a concordância
dos cidadãos, precisa se impor à força.
 As cabeças de quem pensa, e é cioso em permanecer livre, rolam inexoravelmente.
Esse regime é o mais catastrófico da história, tendo assassinado mais de 80 milhões de rebeldes.
 Tornou-se uma mancha na história da humanidade.
No Brasil, alegremente estamos correndo para os braços das ditaduras.
 Sem pejo nenhum, e sem falsete no rosto dos nossos dirigentes, temos relações diplomáticas preferenciais com nações, onde as liberdades individuais são uma quimera.
 As visitas oficiais a certos países, de visceral princípio socialista, são uma constante.
 A importação de médicos estrangeiros (não quero duvidar de sua competência profissional), tem como objetivo acostumar nossa população com as belezas do socialismo.
 Os gastos financeiros com doações em favor de nações mais pobres (todas socialistas), são uma constante.
 Os Black Blocs, quebrando com grande satisfação os Bancos, mostram que já estão infectados com esse vírus, francamente, anti-livre mercado.
 Os que querem os serviços públicos todos gratuitos, vivem de um delírio deplorável.
 Tudo está sendo feito à luz do sol.
Os condutores da nação terão o  direito de dizer: “eu avisei”.
 É muito provável que entre os condenados pelos crimes do mensalão, já se encontrem aqueles que, no futuro, serão os dirigentes da Nação.”
i

Dom Aloísio Roque Oppermann

Arcebispo Emérito de Uberaba (MG)

 

(Fonte: Portal CNBB  / Foto: Paróquia São José – Taubaté)

 

ASSINATURA

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.