Lendo agora:
Lídice e Rui se abraçam no TRE, mas trocam acusações
Artigo completo 4 minutos de leitura

Lídice e Rui se abraçam no TRE, mas trocam acusações

Adversários na disputa eleitoral Lídice da Mata (PSB) e Rui Costa (PT) abrem sorrisos

Adversários na disputa eleitoral Lídice da Mata (PSB) e Rui Costa (PT) abrem sorrisos

Do mesmo time até o ano passado e agora em campos opostos na disputa pelo governo da Bahia, os candidatos Lídice da Mata (PSB) e Rui Costa (PT) se encontraram, na manhã deste sábado, 5, no Tribunal  Regional Eleitoral (TRE), durante a entrega do registro de suas candidaturas.

Trocaram abraços, beijinhos e até posaram para fotos, junto com integrantes das respectivas chapas. O clima amistosos do “encontro casual”, no entanto, mudou quando o assunto entrou na propaganda e campanha eleitoral, que oficialmente começa neste domingo, 6.

Lídice, que declarou um gasto máximo de campanha de R$ 20 milhões e terá cerca de 2 minutos de propaganda na TV, disse que  estuda medidas jurídicas contra o que definiu de “reforço exagerado” e “demonstração de força” da propaganda governamental, que acaba, a seu ver, favorecendo o candidato petista.

“O que tenho observado, principalmente nos últimos 15 dias, é um reforço exagerado da propaganda do governo. Basta ligar os rádios que, de dez em dez minutos, tem uma propaganda do governo. Na televisão idem, (o governo) comprando horário nobre no Jornal Nacional (Rede Globo) e nos blocos que antecipam as novelas”. Para a senadora, é claramente “uma demonstração de força”, que desequilibra o jogo eleitoral.

“Espero que o TRE esteja atento à isso, porque há abuso do poder durante o período da campanha. Se as regras já são ruins, quando você abusa, aí se transforma praticamente em crime eleitoral”, entende Lídice, defendendo uma reforma na legislação eleitoral para garantir a representação política da sociedade.

Legal

Rui Costa, que declarou ao TRE estimar um gasto máximo de campanha de R$ 65 milhões, refutou as críticas da candidata do PSB, quanto ao favorecimento da publicidade do governo do Estado em seu favor.

O petista, que terá cerca de 8 minutos e meio na TV, disse que isso não existe e que a legislação está sendo “respeitada e cumprida” pelo governador Jaques Wagner (PT), na medida em que as regras de propaganda eleitoral são definidas por lei.  “A Legislação é clara a esse respeito e, portanto, toda publicidade governamental, federal ou estadual só pode ser feita até a última sexta-feira”, respondeu ele.

Em tom provocativo, disse ter certeza que outros estados como Pernambuco, governado pelo PSB e base política do candidato socialista à Presidência, Eduardo Campos, também estão cumprindo a legislação, da mesma forma que o governo da Bahia.

Depois de posar para foto ao lado do concorrente Otto Alencar (PSD), candidato ao Senado na chapa governista que estima gastar R$ 16 milhões na campanha, a ex-ministro no STJ e candidata a senadora pelo PSB, Eliana Calmon (prevê gastos de R$ 7 milhões) deu sua opinião.

Disse que o “defeito” está na legislação eleitoral e no próprio financiamento de campanha que, segundo ela, “também é uma mentira e uma falácia”, que favorecem os candidatos mais ricos, afastando da política os novatos, a juventude e quem não topa fazer o “toma lá dá cá”.

200 registros de candidaturas até início da tarde deste sábado

Até as 13h30 deste sábado, último dia de registro de candidatura, a Coordenadoria de Gestão Documental, Informação e Memória do TRE-BA havia contabilizado mais de 200 requerimentos de registros, aí incluídos as candidaturas ao governo, a vice, ao Senado e a deputado estadual e federal.

O TRE montou um  plantão para recebimento da documentação de partidos, coligações e candidatos que estava previsto para se estender até às 19 horas deste sábado.

Além dos registros das coligações de Rui Costa (PT) e Lídice da Mata (PSB), as alianças de Marcos Mendes (PSOL) e Renata Mallet (PSTU) já haviam registrado suas candidaturas durante a semana. Mendes declarou um gasto máximo de campanha de R$ 1,2 milhão e Renata Mallet, de R$ 200 mil.

O candidato ao governo do DEM, Paulo Souto, segundo sua assessoria, só iria formalizar seu registro de candidatura na parte da tarde. O democrata, que terá 6 minutos de propaganda eleitoral na TV, estima um gasto máximo de campanha de R$ 38 milhões.

Já o candidato ao Senado na sua chapa, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, trabalha com expectativa de gatar até R$ 28 milhões.  Da Luz, o candidato do PRTB, faria seu registro no final da tarde.

 

(Fonte: Portal Jornal A Tarde – Patrícia França / Foto: Margarida Neide | Ag. A TARDE)

 

 

ASSINATURA

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.