Lendo agora:
Iperba tem déficit de leite materno de 17,5%
Artigo completo 6 minutos de leitura

Iperba tem déficit de leite materno de 17,5%

A realidade dos bancos de leite da Bahia não está das melhores. Os do Instituto de Perinatalogia da Bahia (Iperba), por exemplo, apresentaram, no primeiro semestre de 2015, aumento de 78% de litros no estoque, em relação ao mesmo período do ano passado. No entanto, atualmente sofre com déficit mensal de 17,5%.

Um levantamento realizado pela coordenadora do banco de leite do Iperba, Cibele Corrêa, estima que a quantidade ideal para suprir a demanda da instituição seria 40 litros mensais. Porém dispõe de apenas 33 litros, no momento. A análise indica ainda que, entre janeiro e junho de 2014, a instituição conseguiu recolher 121,36 litros. No mesmo período deste ano, foram 216,62 litros.

A Semana Mundial do Aleitamento Materno (Smam), que será iniciada no sábado, 1º de agosto, seguirá até o dia 8 do mesmo mês, com a proposta de ressaltar a importância dos benefícios ofertados pelo leite das mães aos bebês.

O tema deste ano será “Amamentação e Trabalho: para dar certo, o compromisso é de todos”. Durante a semana, serão realizados diversos eventos em prol do tema.

650x375_leite-materno-amamentacao_1544789

Mãe doadora recolhe leite para banco

Doações

As doações feitas nos bancos de leite são destinadas aos bebês prematuros que, geralmente, se encontram nas incubadoras. Segundo Cibele Corrêa, o estoque atual permite que apenas os recém-nascidos da instituição sejam atendidos.

“Se o nosso estoque tivesse grandes quantidades de leite, poderíamos ainda doar para outros centros médicos. Mas, infelizmente, nossa realidade é difícil”, destaca.

A Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) informa que o estado possui sete bancos de leite. Três deles estão na capital, localizados no Iperba (71-3116-5118), em Brotas; na Maternidade Climério de Oliveira (71-3283-9264), em Nazaré; e no Hospital Geral Roberto Santos, Cabula,  que foi inaugurado e possui todos os equipamentos, mas ainda não realiza a atividade efetivamente.

Além desses, em Feira de Santana há um banco para doação no Hospital Inácia Pinto dos Santos (75-3602-7155) e no Hospital Geral Clériston Andrade (75-3221-0353); Vitória da Conquista, no Hospital Municipal Esaú Matos (77-3422-6200); e em Itabuna, no Hospital Manoel Novaes (73-3214-4346).

As interessadas em fazer a doação precisam  ligar para os bancos de leite para efetuar um cadastro. Posteriormente, os exames realizados no pré-natal são analisados para garantir que não há problemas com a saúde da doadora.

“As doadoras não têm gasto. Uma equipe vai até a casa das mães para levar os equipamentos necessários para a retirada do leite e depois retornam para buscá-los cheios”, explica Cibele.

A educadora Dirlene Araújo, 32, descobriu que pode ser doadora depois do segundo filho. “Eu sempre quis doar, porque produzo muito, mas não conhecia. É muito prazeroso. Agora, tenho o desejo de reservar um dia para ir conhecer os bebês para quem faço as doações”, afirma.

Benefícios associados ao leite materno

DHA – Fonte de DHA (ácido docosa-hexaenoico), nutriente que promove o desenvolvimento cognitivo e visual na infância

Imunidade – Fortalece a imunidade, pois o leite contém células de defesa e fatores anti-infecciosos que protegem o organismo do recém-nascido

Proteção – Aumenta o contato entre o bebê e a mãe, pode diminuir o estresse da genitora e aumentar a segurança e sensação de proteção do bebê

Aproveitamento – Todos os componentes do leite materno são aproveitados pelo organismo do bebê

Fortalecimento – O esforço do recém-nascido para sugar o leite ajuda no desenvolvimento dos pulmões, fortalecendo o órgão contra alergias

Evita Cólicas – As proteínas de fácil digestão (globulinas) presentes no leite materno fazem com que ele não fermente tanto antes de ser digerido. Isto faz com que os bebês produzam menos gases, evitando as cólicas

Evolução – O movimento de amamentação promove estímulos favoráveis ao desenvolvimento da musculatura da boca e da face. Por isso, auxilia no evolução da arcada dentária do bebê. Futuramente, a ação irá refletir na respiração, fala, mastigação e deglutição do indivíduo

Q.I. – O desenvolvimento de cerca de 80% do cérebro acontece nos primeiros dois anos de vida, e a gordura presente no leite da mãe auxilia na evolução cognitiva do bebê. A gordura presente no leite materno é constituída por ácidos graxos poli-insaturados, responsáveis por formar os neurônios da criança e favorecer as sinapses nervosas

Ferro – Se comparado ao leite da vaca, o materno possui muito mais ferro e concentrações menores de cálcio, o que evita a anemia em bebês menores de seis meses

Prevenção – A longo prazo, o aleitamento materno é relacionado à prevenção da diabetes e de linfomas

 

Mitos e verdades

Amamentar dói – Vai depender de uma série de fatores, como a sensibilidade e o estado emocional da mãe e de como o bebê suga o seio

Seio pequeno não produz leite – Mito. As células produtoras e os ductos de leite são os mesmos em todas as mulheres. Só em caso de cirurgias de redução é que este número pode ser alterado

Alimentação da mãe influencia – Verdade. Tudo o que a mãe come é passado para o leite. Por isso, é importante que a mulher faça uma dieta saudável e beba muito líquido nesse período

Leite materno pode ser fraco – Mito. O leite humano é composto por células vivas que transferem para o bebê a imunidade materna aos agentes infecciosos

Estresse e nervosismo atrapalham a produção – Fato. Quando a mulher está muito cansada ou ansiosa, a produção do hormônio ocitocina, que é o responsável pela vazão do leite, é reduzida. O que pode prejudicar a descida do leite e, em casos graves, até secar

Amamentar é um anticoncepcional – Mito. Algumas mulheres podem voltar a ovular. Para que isso funcione, é necessário que a amamentação seja exclusiva com as mamadas muito frequentes, com curtos intervalos entre uma e outra

Fonte: Achilles Cruz

 

(Fonte: Portal Jornal A Tarde – Jessica Sandes / Foto: Lúcio Távora l Ag. A TARDE)

 

ASSINATURA

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.