Lendo agora:
Marca baiana investe em atendimento personalizado
Artigo completo 3 minutos de leitura

Marca baiana investe em atendimento personalizado

Uma boa parceria familiar resultou num trabalho de moda com uma mensagem simples, mas muito importante. Suelen Nunes, ao lado da sua mãe Sonia, encabeça a produção na marca baiana de roupas femininas Succa.

650x375_succa_1558292

Recém-surgida no mercado, a marca visa oferecer peças com informação de moda e que zelam pelo cuidado no  momento  da execução. Suelen afirma que, por conta da equipe enxuta, formada apenas por ela e Sonia, a Succa não trabalha com coleções.

“Por enquanto, confeccionamos peças avulsas, que conservam unidade entre si, mas não são lançadas todas de uma vez e, sim, em espaços de tempo mais ou menos regulares”, explica.

Com atendimento personalizado no seu ateliê, a Succa estreita as relações com as clientes através do ambiente online: site oficial (www.succa.com.br) ou em perfis nas redes sociais, como Facebook  e Instagram. O primeiro contato também pode ser feito pelo whatsapp.

“A internet é a minha vitrine: o espaço onde eu consigo alcançar mais pessoas e expor o meu trabalho de maneira organizada. Exceto alguns casos onde pessoas de outras cidades procuraram, a maioria das vendas é efetuada presencialmente”.

succa_saia_jamile_2 succa_vestido_anine_estampado_frente_1

Processo produtivo

Vestidos, saias longas ou curtas, blusas e shorts são produzidas com estampas étnicas, fendas ousadas e comprimentos modernos. Suelen diz que o processo de planejamento das roupas começa  a partir das suas referências imagéticas nascidas em qualquer lugar.

“De maneira lúdica,  posso dizer que tudo o que  vejo de interessante, não necessariamente um item de vestuário, vira o elemento de um quebra-cabeça. Só depois  ele se junta a outro  e resulta numa estética  agradável”.

A partir de então, Suelen segue para a pesquisa nas ruas da cidade: entra em lojas de tecidos, desbrava armarinhos e investiga diversos tipos de materiais.

“O passo seguinte é fazer o molde e cortar a peça-piloto, uma peça de testes na qual nós podemos identificar eventuais erros da modelagem, verificar se aquele modelo veste bem e se a imagem final é a desejada”.

Segundo Suelen, esse é o momento de maior integração entre ela e a mãe. Enquanto Sonia costura a peça-piloto e investe na técnica, elas discutem as  maneiras de executar aquela roupa.

“Uma vez aprovada a peça piloto, amplio a modelagem para outros tamanhos e tudo segue para ser costurado por minha mãe”, esclarece.

Costura na infância

Formada em design gráfico pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Suelen conta que o universo da costura e das roupas faz parte da sua vida desde a infância.

“Minha mãe é costureira há muitos anos. Ela começou trabalhando em fábricas até conseguir  montar seu  ateliê e prestar serviços para fábricas maiores ou estilistas”.

A opção de Sonia e Suelen por uma marca que valorize o slow fashion mostra uma perspectiva madura.

“Esse modelo de consumo de fast fashion vai atingir seu ápice para logo em seguida declinar e abrir espaço para outros modos de consumir. Acho que a tendência é que as pessoas pensem duas vezes antes de comprar, especialmente num cenário de economia instável”.

 

(Fonte: Portal Jornal A Tarde -Luis Fernando Lisboa / Foto: Vanessa Bittencourt | Divulgação)

 

ASSINATURA

 

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.