Lendo agora:
Início Polêmico
Artigo completo 5 minutos de leitura

Início Polêmico

sacola-tailandesa

É com o olhar totalmente voltado para o que acontece nas ruas que Demna Gvasalia encontra inspiração para desenhar suas criações para a Vetements, marca que fundou há pouco tempo mas que já conquistou muitos adeptos famosos _e o tornou merecedor do cargo de diretor criativo da Balenciaga. Mas a estreia na maison logo chegou acompanhada de uma boa e velha polêmica: o estilista não diversificou o casting de modelos no desfile da casa espanhola, e faltaram modelos modelos negras, latinas ou asiáticas pra deixar todo mundo satisfeito. Nem mesmo o fato de justificar um casting composto por modelos não-oficiais, ou seja, incluir seu grupo pessoal de amigas artistas de diferentes idades, que completam as influências utilizadas pelo estilista na criação da coleção, adiantou.
Agora a crítica da vez foi apontada como acusação de plágio: consumidores do comércio popular tailandês estão comparando uma popular sacola de compras, feita de plástico, com a bolsa tipo sacola apresentada na coleção de inverno 2017 da Balenciaga, autoria de Gvasalia

sacola-Balenciaga

Pode ser que ao bater o olho encontremos elementos bem parecidos mesmo. Ambas as sacolas possuem listras coloridas e verticais, e o formato retangular e as alças são realmente bem parecidos. Mas, gente… É uma sacola tão comum que devem ter incontáveis modelos parecidos a esse vendidos mundo afora. Acho que até eu tenho uma parecida que comprei na feira aqui de São Paulo. Mas tudo bem, vamos imaginar que este seja um modelo muito específico de estampa utilizado pelo comércio tailandês em centros de compra popular, vulgo a 25 de março aqui de São Paulo. E pelo que entendi, é mais ou menos essa a comparação feita: a bolsa popular que custa aproximadamente US$2, versus o modelo semelhante porém de grife que ainda não tem preço, mas supõe-se que deverá custar alguns milhares dólares. Esse é um problema.
Agora, até aí, acusar a marca de plágio é outra coisa. Esse crime Gvasalia não cometeu…

sacolas-iguais

Segundo o site The Fashion Law, que apura esse tipo de notícia baseado nas leis de cada local, o próprio Departamento de Propriedade Intelectual da Tailândia disse que achou um pouco absurda essa comparação. “A sacola de arco-íris tem sido usada há muito tempo pela Tailândia. Não é ilegal carregá-la na Europa e não é um plágio produzir algo parecido. Se alguém tiver intenções de copiar seu material, padronagem, formato e cores, tais fatores precisam ser muito idênticos. E geralmente esses elementos levam as pessoas a crer que o objeto original que foi copiado seja de alguma marca famosa; não o contrário”, disse o diretor geral do departamento, Nantawan Sakunkarn.
Em outras palavras, só seria considerado um plágio se a bolsa de grife fosse copiada por outra empresa menor, com menor alcance, e não o contrário. Nesse caso específico da Balenciaga, ela fica totalmente livre da culpa por trabalhar outro tipo de material, de qualidade superior, como o couro. Uma imagem aproximada do produto tira qualquer dúvida da diferença entre elas.

sacola-Balenciaga-foto-maior

No sentido do “design” da peça, será que podemos mesmo tentar encontrar um “dono” para essa criação brilhante? Dificilmente. Outra história bastante semelhante foi quando a Jil Sander foi acusada de copiar os famosos saquinhos de supermercado na coleção de verão 2011, lembra? Ou o saco de pão… E mesmo assim podemos deixar à vontade quem quiser gastar um pouco mais para ter suas sacolas populares grifadas. Ou não?

Jil-Sander

A Louis Vuitton também já foi alvo de acusações parecidas ao criar uma bolsa nos mesmo moldes de uma sacola de mercado jamaicana.

Jamaica-LV

Bem como Phoebe Philo, ao incluir a exata mesma estampa xadrez na coleção de inverno 2013 da Céline.

Celine

Um exemplo que pode ilustrar uma acusação de plágio clara foi a bolsa lançada pela Mansur Gavriel, marca nova-iorquina jovem, porém solidificada nos Estados Unidos, que fez sucesso ao lançar o modelo tipo saco. Até aí nenhuma novidade, certo? Afinal esse modelo de bolsa já é mais do que manjado, porém considerando seu material, formato, cores e textura (imagem da esquerda), ficou bem óbvio o plágio do modelo em questão, à direita, aplicado por outra marca concorrente.

Mansur-Gavriel

No processo aberto pela Mansur Gavriel estão descritos os seguintes termos que formataram a acusação. “A marca única e distintiva da MG Bolsa Saco inclui a combinação de elementos a seguir: 1. A estrutura da bolsa partindo de duas peças de couro que são cortadas, fundidas e seladas para criar um design limpo e nítido, estruturado e liso, rígido e minimalista; 2. Interior e exterior da bolsa em cores contrastantes; 3. Mínimo de costura; 4. O logo da marca em letras metálicas pequenas centralizadas na parte de baixo e frontal da bolsa; 5. Um fecho de cordão que passa pelos furos sem acabamento; 6. Uma alça longa e ajustável em construção lisa e com ferragens em metal”, como consta em parte do processo divulgado pelo The Fashion Law. Aí sim é uma cópia descarada…
Fotos: KentoMagazine, BoF, Vogue Runway, the Fashion Law.

Fernanda Pires

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.