Lendo agora:
Elza Soares apresenta novo álbum “Deus é Mulher” dia 12 de abril no Teatro Castro Alves
Artigo completo 8 minutos de leitura

Elza Soares apresenta novo álbum “Deus é Mulher” dia 12 de abril no Teatro Castro Alves

No dia 12 de abril (sexta-feira) uma das maiores personalidades da história da música popular brasileira, a cantora e compositora carioca Elza Soares retorna a Salvador para apresentação do seu mais novo álbum “Deus é Mulher”. O show será realizado no Teatro Castro Alves, às 21h. Os ingressos estão à venda nos SAC’s dos Shoppings Barra e Bela Vista, na bilheteria do Teatro e no site Ingresso Rápido. O disco conta com 11 faixas que transitam por gêneros diversos, como samba, frevo, rock, pop, bossa, rap e eletrônico, em arranjos sobrepostos por timbres arrojados, ruídos, distorções e dissonâncias, características desse núcleo criativo. “Eu acho que nesse momento o Brasil merece um disco assim, ousado, sem papas na língua, sem medo de dizer palavrão, de dizer o que pensa, ao que veio. Assim como A Mulher do Fim do Mundo, acredito que o disco vai servir de inspiração para outros artistas”, aposta a cantora.

Gravado entre o Red Bull Studios em São Paulo e o Estúdio Tambor no Rio de Janeiro, entre janeiro e março de 2018, o álbum foi mixado em New York por ninguém menos que o lendário Scotty Hard, vencedor do Grammy Award e responsável por discos emblemáticos do grupo Nação Zumbi. “Dessa vez eu mesma escolhi as músicas. Veio gente dos quatro cantos do país para mandar suas composições para mim. Escolhi boas músicas sem me preocupar se eram de compositores estabelecidos, de novos ou do meu próprio time. O resultado é esse aí. Um disco espetacular que exigiu ainda mais de mim que o anterior. Dei o sangue para superar qualquer trabalho que eu tenha feito antes”, revela Elza.

O álbum traz nomes consagrados como Pedro Luís e Tulipa, repete alguns do anterior como Douglas Germano, Alice Coutinho, Rômulo Froes, Rodrigo Campos, Kiko Dinucci, Clima e abre espaço para novas apostas como Edgar, Pedro Loureiro e Luciano Mello, compositores com grande expressão na cena independente, mas que agora recebem o aval da artista. No time desse novo disco, Marcelo Cabral volta no Baixo e Bass Synth, Rodrigo Campos repete a boa performance no Cavaquinho e Guitarra, Kiko Dinucci comanda o sintetizador, o sampler e a Guitarra, que divide com Rafa Barreto, com Guilherme Kastrup na Bateria, percussão e MPC. Esse grupo assina a coprodução de nove faixas do disco junto com Rômulo Froes e tem direção musical de Guilherme Kastrup que assina sozinho a produção de outras duas faixas do álbum, “Dentro de Cada Um” e “Deus Há de Ser”. Quem assina a concepção do cenário, luz e projeções do espetáculo é Anna Turra, que também assina o trabalho anterior. Elza contracena com sua banda composta por Rafa Barreto, Marcelo Cabral/ Luque Barros, Rodrigo Campos, Guilherme Kastrup, Mestre Dalua, Rubi e algumas novidades nesse grande time.

Mais sobre Elza

Eleita em 2000 como a “Melhor Cantora do Milênio” pela BBC de Londres e do alto das suas seis décadas de carreira; vencedora do Grammy Latino, eleito disco do ano (2016) pelo The New York Times, além dos principais prêmios musicais e técnicos de 2015 e 2016, com o álbum “A Mulher do Fim do Mundo” sucesso no mundo, voltou de maneira avassaladora à cena musical no ano de 2015 em grande estilo com o show da turnê A Mulher do Fim do Mundo, o primeiro álbum de inéditas da carreira da artista. Assim que o disco foi lançado, no segundo semestre de 2015, o reconhecimento foi instantâneo.

Passado algum tempo, o legado deste trabalho foi delineado como “o mais importante da década”, como bem frisou a coluna Tudo Tanto, da revista Caros Amigos. Desde o lançamento, o álbum já havia sido agraciado nacionalmente com os prêmios de “Melhor Show Nacional”, da Folha de São Paulo e do Estado de São Paulo, de “Melhor Álbum” pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) e de “Melhor Álbum de 2015” e “Melhor Música de 2015” (“Maria da Vila Matilde”) pela revista Rolling Stone Brasil, de “Melhor Álbum na categoria Pop/ Rock/ Reggae/ Rip Rop/ Funk” na 27° edição do Prêmio da Música Brasileira 2016. Nesta edição do prêmio, Elza também foi indicada a “Melhor Cantora” e a “Melhor Música” com Mulher do Fim do Mundo, além de ser premiada com “Canção do Ano” pelo Prêmio Multishow 2016 (“Maria da Vila Matilde”).

Na imprensa internacional o álbum faturou os prêmios “The Guardian 5/5 estrelas”, “Songlines 5/5 estrelas”, “Financial Times 4/5 estrelas”, “Mojo Maganize 4/5 estrelas” – World álbum of the month, “The Sunday Times – Magnificent”, “The Arts Desk – A monumentally great álbum”. Além da enxurrada de prêmios, Elza Soares é trilha da surpreendente série 3% da Netflix com a música (“Mulher do Fim do Mundo”). Em 2016, a artista cantou na abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Com lançamento do disco no exterior, arrebatou outras façanhas, além de uma turnê internacional pela Europa passando pelos principais festivais e teatros de Berlim, Utrecht, Londres, Aveiro, Porto e Lisboa, sempre com lotação máxima nos templos da música que se apresentou. Recebeu resenhas entusiasmadas nos respeitados The Guardian (“Surely the best Brasilian álbum of the year”) e Pitchfork, (“…one of the year’s most original and exhilarating listens”). Para coroar o exuberante resultado, a artista ganhou também o Grammy Latino 2016 por “Melhor Álbum de Música Popular”.

O fim de 2016 trouxe mais listas e resultados surpreendentes para o trabalho. A Mulher do Fim do Mundo foi citado como “um dos 10 melhores discos do ano” pelo The New York Times, eleito “o melhor álbum de 2016” na Ípsilon, pelo público de Portugal, enquanto o Pitchfork o pontuou como “o 32o melhor álbum de 2016”. Em 2017 a incansável Diva da música popular brasileira voltou a encabeçar as principais listas de premiações musicais com destaque para as indicações e premiação na 28° edição do Prêmio da Música Brasileira na categoria “Canção Popular” com o prêmio de “Melhor Álbum” para o disco “Elza canta e chora Lupi” 2016, registro em CD e DVD do trabalho da artista em homenagem ao emblemático cantor e compositor Lupicínio Rodrigues, músico responsável pelo primeiro sucesso de Elza Soares, a música “Se acaso você chegasse” do disco “A bossa-negra”. Ainda em 2017 Elza Soares ganhou o mundo novamente com o segundo ano da turnê internacional.

Em maio, o show “A Mulher do Fim do Mundo” foi apresentado na Broadway, no coração de Nova York no teatro The Town Hall pela Red Bull Music Academy Festival. Em junho, Donna Elza Soares regressou à Europa, começando pelo palco do prestigiado Primavera Sound Barcelona, passando pelo Teatro Coliseu de Lisboa, seguindo para o NOS Primavera Sound Porto, depois em Faro, no Teatro das Figuras, seguindo para Festival Raízes do Atlântico em Funchal. A consagrada artista brasileira mereceu destaque na imprensa mundial após os concertos em Portugal. “Elza Soares sambou na cara dos inimigos”, “Elza Soares, a decana que deu samba no festival” e “O furacão Elza Soares arrasou o parque da cidade”, foram alguns dos títulos de capa dos jornais europeus após as impactantes apresentações em terras lusitanas.

Finalizada a temporada Portuguesa, apresentou-se no Festival Rotterdamse Schowburg em Rotterdam na Holanda, encerrando a Euro Tour 2017 em Copenhagen, capital da Dinamarca, em um dos mais importantes festivais de música do mundo, o Roskilde Festival. Em agosto do mesmo ano a artista voltou aos EUA para levar seu show ao Festival Red Bull Summer Stage no Central Park de Nova York e foi destaque de uma página do prestigiado jornal The New York Time. Antes, a diva da música brasileira estampou a capa da edição de junho da emblemática revista Rolling Stone. De volta ao Brasil, Elza Soares retomou a turnê nacional e fez sua estreia no maior festival de música da América Latina, o Rock In Rio edição 2017 e foi aclamada pela crítica e pela mídia como um dos melhores shows dessa edição do festival.

Serviço:

Elza Soares – Deus é Mulher

Quando: 12 de abril (sexta-feira)

Onde: Teatro Castro Alves – Sala principal

Horário: 21h

Classificação: 16 anos

Informações: (71) 4000-1139

Vendas: bilheteria do TCA, SAC’s dos Shoppings Barra e Bela Vista e através do site www.ingressorapido.com.br

Valores: A a W – R$ 75,00 (meia) e R$ 150,00 (inteira)

X a Z6 – R$ 60,00 (meia) e R$ 120,00 (inteira)

Z7 a Z11 – R$ 45,00 (meia) e R$ 90,00 (inteira)

Realização: Íris Produções

Foto: Patricia Lino

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.