Lendo agora:
A Sexta-Feira Sagrada e Profana
Artigo completo 2 minutos de leitura

A Sexta-Feira Sagrada e Profana

A Páscoa é um período de renovação que traz novas esperanças advindas da ressurreição de Cristo. É, também, um misto de proibições como o jejum (sagrado) e comidas deliciosas (profano). O profano nos remete a comilança dos milhares tipos de ovos de páscoa espalhados pelas gôndolas dos supermercados, além dos banquetes a base de peixe. No período da Quaresma, durante muitos anos era seguido à risca o costume de não se comer carne na quarta-feira de Cinzas e em nenhuma sexta-feira até a Páscoa.

bruno chef

A Sexta-Feira Santa é a data reservada para o reconhecimento do sacrifício de Jesus Cristo que, segundo conta a Bíblia, foi crucificado neste dia. Por isso, nessa época a Igreja proíbe o consumo de carnes vermelhas. Pois, a carne representa o mundo material, as paixões, pecados, egoísmo, ganância; e o peixe simboliza alimento de vida e a ceia eucarística. Devido a nossa colonização europeia, mas especificamente a portuguesa, temos a tradição de comer bacalhau na Sexta-Feira da Paixão. “Abençoado” pela Igreja e incrementado com a tradição culinária portuguesa, comer bacalhau nesse período é degustar um verdadeiro manjar dos deuses.

Agora que você já se convenceu do consumo de peixe na Semana Santa, confira uma receita fácil e prática para você fazer para seu almoço:

 

 

 

 

 

 

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.