Lendo agora:
Exposição exalta luxo das baianas nas festas populares da Bahia, no mês da Consciência Negra
Artigo completo 4 minutos de leitura

Exposição exalta luxo das baianas nas festas populares da Bahia, no mês da Consciência Negra

*Exposição visa valorizar e difundir a força e a vaidade das baianas nas
festas populares da Bahia*

vcs-c2tpXJlpFizV4vw7s5saTxJUEU9nt6zgA43DTYg

Com o objetivo de valorizar e difundir a força e a vaidade das baianas nas
festas populares da Bahia, o renomado fotógrafo baiano *Genilson Coutinho*
irá lançar no dia 16 de novembro, às 19h, a exposição “*Adereços e luxo do
axé*”, que retrata a vaidade das baianas em seus colares, brincos, anéis e
adereços na composição do figurino e elevação da vaidade feminina por meio
de 30 fotografias.

A exposição fica em cartaz na Alameda Luís Gama do *Shopping da Bahia*, até
o dia 30 de novembro, com acesso gratuito.

O projeto tem a curadoria de *Dilson Midlej*, professor de História da Arte
do Centro de Artes, Humanidades e Letras, da Universidade Federal do
Recôncavo da Bahia, em Cachoeira, mestre em Artes Visuais (2008),
especializado em Crítica de Arte (1984) e Bacharel em Artes Plásticas
(1982), pela UFBA.

HayQ3DeT0yobhFb8etUOfuJHTFkc4WgYdFBNFQQLGGA

A escolha do mês de lançamento também marca as celebrações do 20 de
novembro, Dia da Consciência Negra, no Brasil. A exposição tem apoio da
Secretaria de Políticas para Mulheres, Shopping da Bahia e site Dois Terços.

*Sobre a exposição:*

As festas populares baianas, que tanto encantam os baianos e turistas com
toda a sua tradição ao longo dos anos em Salvador, e no interior do estado,
são marcadas pela alegria do povo e pela importância do legado cultural
destas festas que estão inseridas no cotidiano da população.

E, como já é tradição, não podem faltar as centenárias baianas com suas
saias rodadas e os seus jarros de flores preparados para lavar as
escadarias, assim como a sagrada água de cheiro para banhar àqueles que
acreditam nos poderes deste sincretismo religioso que faz parte destas
manifestações e da devoção do povo baiano.

Neste ano, Genilson acompanhou as baianas no cortejo em homenagem ao Senhor
do Bonfim e registrou de perto esta vaidade, e que em alguns casos passam
despercebida no meio da multidão, diante da ansiedade de baianos e turistas
que buscam uma bela fotografia ao lado das baianas ou um banho de água de
cheiro.

“Sempre tive o desejo de registrá-las, mas queria outro olhar para essa
grandiosidade que são essas lindas mulheres com seus trajes e adereços para
fugir um pouco do lugar comum. Foi nesse processo de observação que notei o
cuidado com suas vestimentas e o luxo nos adereços que compõem o traje das
baianas. Então decidi por registrar as mãos que representam as marcas do
trabalho diário dessas mulheres que no seu dia a dia, são mães de família,
que cuidam das suas casas com muita força e trabalho e que no dia de festa
são cobertas de vaidade e amor. Amor ao seu próximo e ao seu sincretismo
que as guia”, releva Genilson Coutinho.

8PrgBAi-SX2HAtrkLFLZK76l07CBw5KcqdOtqvhC8s8

*Sobre o fotógrafo:*

Formando em Letras com MBA em Comunicação Coorporativa pela UNIFACS,
apaixonou-se pela fotografia após conquistar o primeiro e segundo lugar em
um concurso promovido pela universidade, o qual serviu como inspiração para
escolha da fotografia como trabalho, completando 14 anos no mercado de
entretenimento.

Em 2010, após uma pesquisa na comunidade do bairro Santo Antônio Além do
Carmo sobre as tradições das rezas de Santo Antônio e a exposição da imagem
do santo nas janelas das casas, o artista promoveu a sua primeira exposição
intitulada “Santo Antônio Além do Carmo – Tradição e Fé nas casas e
janelas”, que ficou em cartaz na Livraria Cultura, do Salvador Shopping.

Paralelo a este período, os trabalhos de Genilson Coutinho ilustraram
publicações do Governo da Bahia nos cadernos de Cultura, Agenda Cultural e
publicações nacionais. Além dos trabalhos para os espetáculos “A Loba”, “O
Circo de Só Ler” e “Soul Transformista”.

Em 2013, a convite do teatro Gamboa Nova, o fotógrafo realizou a exposição
“Luta e Silêncio de um Olhar”, sendo um instrumento de denúncia da violação
dos direitos humanos.

Fotos: Genilson Coutinho

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.