Lendo agora:
Os uníssonos
Artigo completo 2 minutos de leitura

Os uníssonos

against the grain

Tenho medo das vozes que se dizem uníssonas. Tenho medo do clamor que se diz uníssono. Tenho medo daqueles que só enxergam o preto e o branco, não os daltônicos natos, mas os funcionais. Tenho medo daqueles que só conhecem dois lados. A verdade e a mentira; o sol e a lua; a noite e o dia; o certo e o errado. Simplesmente temo os extremismos. Seja de que cor ele se pinte. Vermelho, amarelo, verde…

Amedrontam-me esses uns que não conseguem ver o que há por baixo, por cima, à direita, à esquerda, em frente. Não veem as mentiras ternas de quem quer lhes poupar a dor. As meias verdades, que descobrem apenas o necessário para não ferir quem já está no chão. Não conhecem as estrelas, outros planetas ou cometas. Em sua cegueira do sim/não, são incapazes de perceber que existe o entardecer antes de chegar a noite e um amanhecer antes de chegar o dia. Que existem matizes em tudo que nos circunda.

Meu recado a estas vozes pseudouníssonas é que parem de crer em salvadores da pátria. Mais cedo ou mais tarde, estes acabam se revelando apátridas. Párias.

Não espere colher morangos, em plantações de pimentas. Podes queimar a língua. No fundo somos todos pimenta. Com nossos matizes, nossos tipos e cores. Seja do reino, malagueta, dedo-de-moça, cumari… somos pimenta e temos nosso pouco de veneno. Antes de sermos uma só voz, somos indivíduos com opiniões e interesses diferentes.

Os uníssonos são intolerantes. Calam as vozes. Inibem as vontades. Tolhem as liberdades.

Por isso temo os equivocados autointitulados uníssonos.

(Fonte: Portal Curta Crônicas – Alexandre Vicente/ Foto: pt.gdefon)

 

ASSINATURA

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

1 comment

  • simplesmentelena

    Esse é um dos grandes problemas em nossa época que aprecia tanto o discurso “politicamente correto”. Quem ousa dar uma opinião à margem, sofre pressões. Na época dessa foto, o politicamente correto era saudar Hitler. Era o que era esperado para um cidadão de bons princípios. Hoje quem ousa falar em favor dos valores bíblicos é taxado de ignorante, preconceituoso, etc. Fica aí o registro.

Deixe uma resposta para Rita Cytryn Cancel Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.