Lendo agora:
Aprenda a lidar com o lado psicossomático das doenças
Artigo completo 4 minutos de leitura

Aprenda a lidar com o lado psicossomático das doenças

Especialistas apontam caminhos para controlar a influência da mente do desenvolvimento das doenças

 

Tomar comprimidos podem apenas camuflar as doenças

Tomar comprimidos podem apenas camuflar as doenças

Quando você está com dor de cabeça toma correndo um comprimido, certo? Os analgésicos foram inventados justamente para nos aliviar da dor. Mas você há de convir que essas pílulas mágicas não levam seu problema embora. Elas apenas o camuflam.

Tomar um remédio sem procurar descobrir a origem do problema é como desligar a luzinha do painel. Provavelmente, a pane vai voltar a aparecer mais tarde e, talvez, agravada. Portanto, um primeiro ponto a ser considerado é que a dor de cabeça ou qualquer outro mal-estar que você sinta é um sintoma, e não a doença. Todo sintoma age sempre como um sinal.

Tratamento de grego
Parece que a ideia de que corpo e emoção são farinha do mesmo saco atravessou os tempos. Hipócrates,o pai da medicina ocidental, em 400 a.C. já cansava de falar no assunto. Um bom exemplo é a ligação que ele fazia entre problemas do fígado e a depressão. Um sujeito que se mostrava triste e apático deveria ser tratado do fígado, em primeiro lugar.

Hoje em dia algumas linhas da medicina continuam trabalhando dentro dessa proposta de tratamento, como a homeopatia e a antroposofia.

A palavra soma vem do grego e significa corpo. Por isso, toda vez que falamos em algo somático estamos nos referindo a ele. Já psicossomático é algo pertencente ou relativo aos domínios orgânico e psíquico não é frescura, como muitos pensam. Tendo em vista que corpo e mente caminham de mãos dadas, dá para dizer que todas as doenças são psicossomáticas.

É lógico que nem tudo depende só da mente. Existem fatores genéticos, hereditários, ambientais. Mas nada age sozinho. Ninguém é só corpo ou só mente, lembra José Atílio Bombana, psiquiatra e psicanalista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), coordenador do Programa de Atendimento e Estudos sobre Somatização.

Visto assim, fica até difícil dizer onde separar consciência e físico. O corpo é nosso primeiro universo. Ele nos concebe, abriga, registra as primeiras impressões que temos do mundo: cheiros, sabores, luzes, sons, calor, frio. Nele se constrói uma história marcada por sensações, movimentos, percepções e traços do encontro com o desconhecido do mundo, afirma Rubens Marcelo Volich, psicanalista e professor do curso de psicossomática do Instituto Sedes Sapientiae, de São Paulo. É o corpo, ainda, o último reduto ao qual nos recolhemos nos momentos de dificuldade, tristeza, desamparo.

É dessa história escrita no corpo que trata a psicoterapeuta Maria Christina Freire no livro “O Corpo Reflete o seu Drama: Somatodrama como Abordagem Psicossomática”. A idéia é que, da mesma forma que temos lembranças guardadas na mente, também temos memórias registradas no corpo.

Não se sinta culpado
Fica até parecendo que o doente teria culpa por estar nesse estado. Aquela velha máxima de acusar o sujeito ansioso por ter criado uma úlcera. Temos participação nas nossas doenças, mas isso não ocorre no sentido consciente, ou seja, responsável. Não foi você que escolheu determinada doença, foi seu inconsciente. E isso você não controla, afirma Nairo de Souza Vargas, professor do departamento de psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Por isso, uma boa saída seria não ficar brigando com a doença muito menos com você mesmo e sim pensar no que ela quer dizer. Se você está doente é porque esse é um estado do ser humano, que, como já deve ter percebido, é imperfeito por natureza.

Sendo assim, o que está ao nosso alcance? O que podemos fazer para recuperar a saúde quando somos acometidos por uma moléstia? Uma avaliação de hábitos, estilo de vida e de relacionamento com o mundo pode cair bem. Não é só por atitudes que nos expressamos. O corpo também expressa nossos traços. Se meu estômago dói quando estou nervoso, ele está mostrando um pouco da minha personalidade. Por meio do meu soma, estou expressando minhas angústias, diz o médico Nairo de Souza Vargas.

(Fonte: Portal Revista Vida Simples / Foto: Reprodução/VIDA SIMPLES)

 

ASSINATURA

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.