Lendo agora:
Os piores conselhos para dar a um amigo
Artigo completo 6 minutos de leitura

Os piores conselhos para dar a um amigo

Clichês e frases de impacto que muitos repetem por gerações têm efeito imediato, mas não resolvem problemas e ainda podem ser a maior furada para quem os segue

"O que você faria no meu lugar?": a resposta nem sempre ajuda quem busca um conselho

“O que você faria no meu lugar?”: a resposta nem sempre ajuda quem busca um conselho

Dar um conselho a alguém é uma das ações – muitas vezes – inofensivas que têm grande poder de destruição. Seguindo a máxima “se conselho fosse bom seria vendido e não dado”, é comum encontrar histórias de orientações gratuitas com frases bonitas que não atenderam ao principal objetivo: ajudar o aconselhado.

Ao contrário do que muitos imaginam, é mais desafiador dar uma orientação construtiva do que receber um conselho, mesmo se não requisitado, garantem os especialistas em comportamento ouvidos pelo Delas.

Um dos vilões dos bons conselhos, segundo eles, é o pedido inesperado por uma orientação. Ser abordado com a frase “o que você faria no meu lugar?” intimida e não dá tempo para reflexões. Nessa hora, ganham vida receitas mágicas e clichês repetidos de geração em geração, mas que não são nenhum pouco práticos.

Ao lidar com uma grande perda, por exemplo, não é agradável ouvir que “o tempo tem poder para curar todos os males”. Para o executive coach Robson Nasc um bom conselho precisa ter toques de mediação, realidade, clareza e até possíveis soluções.

“O maior perigo é aconselhar sem conhecer a realidade do outro. Cada um tem uma forma de viver, por isso, é proibido generalizar. Falar frases bonitas e de impacto tem apenas efeito imediato, mas nada construtivo”, diz Nasc.

Allessandra Ferreira, palestrante e coach da AlleaoLado, não acredita que o conselho é o melhor caminho para ajudar o próximo. Ela prefere o uso de uma opinião bem formada, que estimula o outro a chegar à própria resposta.

“Antes de opinar faça perguntas e busque entender melhor a história. Muitas vezes as frustrações surgem por falhas na comunicação. A melhor ajuda é acolher e não tentar apontar o que você acha melhor para ela”, garante a profissional.

Os especialistas enumeraram os piores conselhos que uma pessoa pode dar a um amigo, veja:

“Pare de ser pessimista, pense positivo!”

Apenas pensar positivo não soluciona os problemas. O jornalista britânico Oliver Burckeman, autor do Manual Antiautoajuda (Ed. Paralela), defendeu em entrevista ao Delas que opessimismo pode salvar uma situação e até controlar as decepções já que equilibra as expectativas. Além disso, não é agradável ouvir sobre o próprio pessimismo em um momento de tristeza. Caso use a expressão “pense positivo”, procure apontar situações favoráveis para provar que nem tudo está perdido.

“Várias cabeças pensam melhor do que uma”

Dois é mais do que um somente na matemática, garante o coach Nasc. No ambiente profissional, colocar duas pessoas que não rendem trabalhando juntas pode ser desastroso. O conselho pode ser ainda pior se aplicado na vida pessoal já que, em grupo, muitos depositam confiança no consenso e não consideram as opiniões individuais, que são as mais importantes.

“Nunca desista dos seus sonhos. Você vai chega lá!”

Muitos abandonam a racionalidade na hora de aconselhar alguém. Prometer ao outro que todos os sonhos serão realizados é uma armadilha. Se a amiga falhou ao tentar conquistar algo, ela precisa avaliar as reais chances de conseguir antes de tentar de novo. Às vezes, o caminho é investir em outras metas e buscar a felicidade por outros caminhos.

“O aconselhado precisa saber qual é a realidade para ele chegar lá. Uma melhor ajuda é sugerir os passos que ela deve seguir para melhorar o futuro”, defende Nasc.

“Não se preocupe tudo dá certo no final”

A frase tem um tom acolhedor, mas pode provocar gerar uma possível decepção. Muitos usam esse conselho quando não sabem o que falar para o outro. Para Alessandra, antes de despertar esperanças no aconselhado, assuma que considera a situação delicada e que não sabe o que fazer.

“Um caminho é pedir um tempo para refletir melhor sobre o problema. Isso irá mostrar que você terá algum cuidado ao colocar a sua opinião”. E por fim, não tenha vergonha de falar que não se sente confortável para aconselhar.

“O tempo cura tudo”

Usar esse conselho significa considerar que todas as pessoas lidam com o tempo da mesma forma. E pode ainda prejudicar uma ação mais rápida para resolver o problema ao promover a ideia de que um fator externo – o tempo – guarda todas as respostas e soluções. Muitas vezes, segundo especialistas, a saída está na transformação interna do indivíduo.

“Chore e coloque a raiva para fora”

Os sentimentos negativos não escorrem com as lágrimas. Ao extravasar a tristeza e a raiva, a pessoa ativa uma rede de emoções e ações agressivas e não conquista a calma. Gritar, chorar e explodir pode até trazer uma leveza momentânea, mas Nasc garante que a prática só fortalece seus impulsos agressivos. Um copo com água e um respiração profunda valem mais do que este conselho.

“Continue pedindo aumento para o chefe”

O ambiente profissional pode ser um perigo para o funcionário vulnerável. Alessandra explica que é comum ouvir orientações equivocadas na hora de lidar com a chefia.

“É até irresponsável dizer tal coisa sem considerar todos os lados dessa história e porque ele ainda não conseguiu o esperado aumento”. Como o trabalho é um local competitivo, é preciso ter atenção para não ser manipulado.

“Sempre se faça de difícil”

O amor é um dos assuntos que mais sofre com os conselhos-clichês em busca de um relacionamento duradouro. Abandonar antigos hábitos e “manuais do namoro perfeito” pode resultar em uma interação mais original e sincera com um novo pretendente, diminuindo as chances de decepção.

“Busque um novo amor para curar uma desilusão”

Um clássico conselho que o pode levar a um novo desastre amoroso. Depositar as frustrações e esperanças no novo pretendete poderá sentenciar a relação ao fim. Para os especialistas, a melhor ajuda nos casos desilusão amorosa é indicar ao amigo programas atraentes que não exijam um companheiro amoroso.

 

(Fonte: Portal Ig – Carolina Garcia/ Foto:  Thinkstock/Getty Images)

 

ASSINATURA

 

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.