Lendo agora:
Especialista em Inteligência Emocional explica o que é Praising e o seu poder de transformação para as novas gerações
Artigo completo 7 minutos de leitura

Especialista em Inteligência Emocional explica o que é Praising e o seu poder de transformação para as novas gerações

Nova prática visa destacar as qualidades e talentos do próximo e ser um “antídoto” ao bullying

A palavra bullying vem do verbo ‘to bully’, em inglês, que significa maltratar ou intimidar. A prática, que é considerada comum e recorrente nas escolas na fase adolescente visa encontrar algo no próximo, diferente dos demais, que provoque dor e sofrimento, para espalhar, exacerbar e dar foco no negativo. É uma tentativa primitiva de eliminar a pessoa que possui algum defeito, dificuldade ou diferença, que a torna a mais vulnerável do grupo. Para o especialista em Inteligência Emocional, Rodrigo Fonseca, fundador e presidente da SBIE (Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional), tanto quem faz, quanto quem sofre bullying, foram, em alguma medida, vítimas do problema dentro de sua própria casa.

“Entenda, bullying, muitas vezes, pode não envolver agressões físicas, mas, sim, agressões psicológicas e emocionais de diversos níveis de gravidade. A criança que é muito criticada pelos pais em casa, sofre todos os dias com a dor das palavras agressivas, dos sentimentos negativos que os pais nutrem por ela. A vítima de bullying sofre de maneira semelhante ao do bulidor. Na sua casa, é alvo de críticas, humilhação e descaso. Muitas vezes vemos Pais agredindo verbalmente os filhos quando cometem algum erro, julgando que estão fortalecendo-os para a vida. Ao contrário, estão enfraquecendo-os”, revela.

Para prevenir e combater o problema, uma nova prática vem ganhando força no mundo. Chamada de Praising, que vem do verbo ‘to praise’, em inglês, que significa louvar ou elogiar, ela visa focar nas ações e características positivas, nas qualidades de cada pessoa, um antídoto para o bullying. “O primeiro passo é ensinar seu filho a fazer praising. E isso deve começar em casa, com o seu próprio exemplo. Aponte as qualidades do seu filho, enalteça os acertos, fale dos erros somente para ajudá-lo a superá-los, nunca para ridicularizá-lo. Aponte as qualidades das pessoas, o lado bom dos acontecimentos, mostre-se otimista e ensine-o a se colocar no lugar do outro. Ajude-o a enxergar e propagar a vida pelo lado positivo. E, principalmente, a enxergar as diferenças sem preconceitos e críticas”, explica Rodrigo.

Ainda, segundo o especialista, o Praising precisa ser um exercício constante, um treinamento para enxergar qualidades nos outros e assim enxergar coisas positivas em si próprio. “Tanto você, quanto elas ficarão mais receptivas e sensíveis ao seu lado positivo. Cria-se aí um círculo virtuoso, um contagiando o outro de forma positiva”, finaliza.

Saiba o que fazer se o seu filho está recebendo bullying:

– Você deve, antes de tudo, ensiná-lo a parar o bullying desde o início, antes que se fortaleça, criando um hábito perigoso.Na hora do bullying, seu filho deve colocar um limite verbalmente – em nenhum momento deve tocar no outro ou permitir que ele o toque. É preciso falar de modo claro e firme, olhando nos olhos do bulidor. Dizer: “não gosto dessa brincadeira. Não vou mais permitir que você faça isso”. Em seguida, deve se afastar do bulidor.

– Tenha uma conversa séria com o seu filho, e explique: “olha, filho, provavelmente esse garoto tem uma relação muito difícil com os pais em casa. E ele só está fazendo com você o que fizeram com ele. Imagine se eu, ou sua mãe, fizesse isso com você! Ia doer, não ia? Então, foi isso que ele recebeu e aprendeu. Tente se colocar no lugar dele e compreendê-lo”. Porque o perdão só vem por meio da compreensão. Se o seu filho conseguir sentir empatia pelo bulidor, poderá perdoá-lo e, principalmente, perderá o medo dele, pois o bulidor deixará de ser o monstro que o persegue, mas alguém infeliz, que precisa de ajuda.

– O seu filho deve praticar o praising: observar o bulidor, procurando encontrar qualidades nele. Muitas vezes, isso é penoso para quem é vítima, mas, se o seu filho sentiu alguma empatia pelo bulidor durante a conversa anterior que teve com você, conseguirá mudar o foco do seu olhar para o positivo. O bulidor vive na sombra, vendo apenas o lado ruim, o negativo. É preciso trazê-lo para a luz. E o seu filho pode fazê-lo, ao falar com ele num momento em que não se encontra num estado agressivo, e destacar alguma qualidade dele. Dizer, por exemplo: “cara, parabéns, você deu um passe incrível no jogo, hoje!” Se houver sinceridade, o bulidor sentirá e ficará tocado, mesmo que não demonstre na hora. E a necessidade de retribuição fará com que tente enxergar uma qualidade, também, no seu filho. Então, é perceber, reconhecer e destacar o lado bom de quem pratica o bullying, para reverter o processo. E, quem sabe, até fazer um novo amigo.

O que fazer, se o seu filho pratica bullying:

– Em primeiro lugar, olhe para dentro de sua própria casa, para o seu relacionamento (e de sua esposa ou marido) com o seu filho. Vocês, pais, estão praticando bullying em algum nível. Repensem como falam com o seu filho. Vejam se vocês não costumam criticá-lo, diminuindo-o e acusando-o ao menor erro, se não costumam chamá-lo com apelidos ofensivos, ou o ridicularizam por causa de alguma dificuldade, problema ou característica física. Conscientizem-se dos erros e parem de errar. Façam o Resgate Emocional para pedir perdão ao seu filho, dizer-lhe que o amam e que ele pode ser uma pessoa positiva, que reconhece as qualidades das pessoas, que compreende e protege quem tem dificuldades e fraquezas.

– Pratique praising com o seu filho. Observe-o e faça uma lista das qualidades e talentos que enxerga nele. Incentive-o a usar esses talentos, destacando-os sempre que puder. E abrace-o, demonstre o seu amor com palavras ou gestos, pois o seu filho se encontra muito carente.

– Converse com o seu filho sobre o praising, ensine-o a enxergar o lado positivo das pessoas. Diga: “papai e mamãe também estão aprendendo a praticar o praising. Por isso, queremos ensinar a você também. Faça o mesmo com os seus amigos, colegas, a partir de hoje!”.

Sobre Rodrigo Fonseca: Presidente da Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional (SBIE) e da Associação Brasileira de Inteligência Emocional (ASbie). Doutorando pela Florida Christian University (FCU) em Neuromarketing, Comunicador Social formado pela Universidade de São Paulo (USP) e membro da International Society for Emotional Intelligence. Idealizador da trilogia Lotus Inteligência Emocional e da primeira formação em Inteligência Emocional do Brasil, fundamentada nos seus mais de 21 anos de experiência no assunto. Criador do Projeto ‘Sbie nas Escolas’ e do maior evento de Inteligência Emocional da América Latina: Conexão – Conectando Pessoas. É autor dos Best Sellers ‘Emoções – A Inteligência Emocional na Prática’ e ‘21 Chaves para a Realização Pessoal’. Apresentador dos Realities Shows “A FORÇA” e “A Grande Virada”. Considerado o maior Influencer Digital em Inteligência Emocional e responsável pelo Canal do YouTube com o maior conteúdo neste tema.

Foto: Google

Lena Sena foi empresária do mundo da moda e também do segmento de alimentação. É designer de interiores e paisagista, duas de suas grandes paixões. Também é arteira, como gosta de ser chamada entre os que trabalham com artesanato, atividade que continua a lhe conferir belas criações.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.