Lendo agora:
Depressão de fim de ano? Saiba como combater
Artigo completo 3 minutos de leitura

Depressão de fim de ano? Saiba como combater

John Lennon iniciou uma canção famosa da sua fase pós-Beatles com o seguinte verso: “Então é Natal / E o que você tem feito?” (Merry Christmans – War Is Over). É uma pergunta desconcertante para uma época do ano que pretende reunir e pacificar, e nos coloca diante de reflexões existenciais sobre vitórias e fracassos pessoais. Segundo especialistas o período de Festas tem, de fato, esse poder. Em outras palavras: ao invés de encerrar uma noite de celebração abraçada a parentes e amigos queridos, muita gente termina agarrada à tristeza e auto-comiseração.
fimdepressao
“É uma época de cobranças, em que fazemos balanços do que foi conquistado. E isso pode trazer sentimentos de fracasso, baixa autoestima e desesperança”, explica Acioly Lacerda, psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ele acrescenta que constatações clínicas revelam aumento de casos de depressão e tristeza nessa fase do ano. “As Festas podem funcionar como um gatilho para quem tem pré-disposição à depressão”, completa o psiquiatra Ricardo Moreno, da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).
Pular sete ondinhas na praia ou comer lentilha podem não resolver toda a questão. Mas os especialistas acreditam que há maneiras de combater a eventual “deprê de fim de ano”.
Em primeiro lugar, é aconselhável evitar o rigor excessivo consigo mesmo, além de relativizar os acontecimentos recentes. “Ao invés de fazer uma lista das coisas ruins que ocorreram no ano, enumere as boas”, diz Moreno. O segundo passo é lembrar o quanto se é querido pelas pessoas mais próximas – as que realmente importam. Isso ajuda a elevar a autoestima.
Um terceira dica do psiquiatra: as Festas são um momento propício para tentar resolver conflitos com familiares e amigos. “É uma ocasião em que as pessoas estão abertas para ouvir, perdoar e restabelecer vínculos afetivos”, diz Moreno. “Esse sentimento gregário é inconsciente, mas é o verdadeiro espírito de Natal.”
Os especialistas advertem também que é preciso tomar cuidados ao se olhar para o futuro, para o Ano Novo que chega. Isso vale especialmente para aquelas pessoas que planejam uma “revolução” a cada Réveillon. “Essa data não deve ser encarada como um marco para uma vida nova, pois isso gera um clima de euforia e ansiedade”, aconselha Lacerda.
Nesse sentido, é de grande ajuda não estabelecer metas inatingíveis e prazos para a mudança – o que pode criar ambientes favoráveis à depressão. Ou seja, risque da lista de metas a ideia de perder vinte quilos, comprar a casa dos sonhos ou ser promovido a presidente da empresa se não há chances de isso acontecer. “Ter metas é bom, desde que elas sejam alcançáveis. É preciso adequar os desejos às possibilidades”, afirma a psicanalista Dorli Kamkhagi, especialista em estudos do envelhecimento.
Por fim, pode-se voltar à canção de Lennon. Logo após o trecho citado na abertura desta reportagem, ele emendou: “Outro ano se encerrou/ E um novo acaba de começar.” Ou seja: a despeito de nossos eventuais fracassos passados, uma nova etapa, uma nova oportunidade se abre à nossa frente.

 

(Fonte: Portal Filozufandus / Foto: Reprodução)

 

ASSINATURA

 

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Input your search keywords and press Enter.